Category Archives: Chicote do Povo

O FOCO DO MOSQUITO NÃO PODE DESVIAR O FOCO DA LAVA JATO!

EDITORIAL

Possenews em tempos de febre amarela traz a informação sobre os números graves da febre amarela, mas recomenda que não seja esquecida essa companhia de quase dois anos: Lava jato. A atenção e os cuidados no combate ao mosquito tem que ter o mesmo empenho daqueles empenhados diretamente no desdobramento dessa operação tão importante para os políticos do País, pois assim como a febre amarela pode, através da picada do inseto, o universo de alguns pode ruir se mexerem em alguns vespeiros… Vide BNDES. Ou irá ruir o País…

POSSENEWS ALERTA QUE CONFORME DIVULGADO EM http://portalsaude.saude.gov.br/ TODAS (TODAS!) AS CIDADES DO NORDESTE GOIANO ESTÃO SOB RECOMENDAÇÃO PARA VACINAÇÃO CONTRA A FEBRE AMARELA! NÃO QUER DIZER QUE HAJA SURTO OU PELO MENOS O MOSQUITO, MAS SÃO ÁREA DE ATENÇÃO.

QUEM INVADE, INVADE POR QUÊ? QUEM INVADE?

Hoje se chama Morada do Sol, bairro legalizado na cidade de Posse, mas já foi chamado de “Pé do Morro”, “Morada do Morro”,  pois era apenas uma invasão, sem água, sem energia, sem dignidade, mas as pessoas lutaram e hoje tudo está resolvido. Nova invasão começa… Qual o próximo passo? Toda infraestrutura deve ser reivindicada, cada vida deve ser valorizada.

Lindo céu, morada inóspita

Lindo céu, morada inóspita

Não é novidade que o Setor Morada do Sol, hoje legalizado, com água, energia e direito a reivindicar benefícios com base no pagamento de Imposto Predial Territorial Urbano – IPTU, foi iniciado com invasão por parte de pessoas que moravam de aluguel, de favor, que não tinham onde morar. Simplesmente começaram a levantar barracos de lona, barracos sem lona com tapume, e diga-se de passagem eram terras de propriedade particular. Houve um longo período de debate. Hoje é rua com endereço legitimado! Do outro lado da estrada, logo após o que se acostumou chamar de “casinhas”, está nascendo uma nova invasão. Quem está invadindo? Pessoas que moravam de aluguel, de favor, que não têm onde morar. A necessidade é sempre a mesma. Quem não tem, precisa ter, mas não tem como adquirir. A que compete resolver? Não é caso de polícia! É caso de justiça ou decisão voltada para o social? É patrimônio público e de alto valor. Quem terá a solução? A quem pertence a cartola ou a vara de condão?

MAIO JÁ ESTÁ ACONTECENDO… COMO TERMINARÁ? MISTÉRIOS…

Treme, Brasil!!! Mas segura firme!

Treme, Brasil!!! Mas segura firme!

O Brasil inicia a primeira semana do mês de maio dentro de um observatório gigante: os olhos do mundo! Toda a população mundial direciona sua imprensa, seus investidores, seus investigadores, seus legisladores (para saberem como não deve ser a legislação de um país sério); levam seus dólares, suas empresas, sua gente, seus investimentos. Só quem não vê nada acontecer é quem está no núcleo, no centro dessa observação analítica e preventiva, após a destruição (é possível?). Ouve-se dizer que o que acontece nesse País é apenas consequência do que acontece no mundo inteiro. Nos outros países também houve dilaceração de instituições seguras fazendo com que se tornassem frágeis e inviáveis? Não há mais desvios da ordem de centenas de mil reais (não que pudesse…), pois fala-se em bilhões!!! Não abram o cofre do BNDEs! Poupem a competente Justiça Federal e os digitadores e gravadores de sequências infindáveis de delações premiadas…

Prefeito e Secretário de Posse tem bens indisponibilizados por promoção pessoal

O juiz substituto Carlos Arthur Ost Alencar determinou que o prefeito de Posse, José Gouveia de Araújo, e a secretária de Saúde do município, Rosana Maria da Silva Tonhá, retirem, em 48 horas, das obras públicas e locais de prestação de serviços públicos da cidade, todo material publicitário que contenha promoção pessoal. Decretou, ainda, a indisponibilidade dos bens móveis e imóveis dos dois.

Caso não sejam retirados os materiais publicitários dentro do prazo estabelecido, será cobrada multa diária, pessoal e individual no valor de 724 reais. Quanto à indisponibilidade dos bens, deverá ser limitada em até cem vezes o valor da remuneração dos envolvidos, calculado, no caso, em 700 mil reais.

LEONARDO RIZZO CONDENADA POR PROPAGANDA ENGANOSA

Justiça condena a empresa, e a Amob solidariamente, a asfaltar o Residencial Recanto dos Buritis; ação civil pública apontou ausência estrutural no loteamento, uma vez que já apresenta erosões em asfalto construído há apenas oito meses; na sentença, o juiz José Proto de Oliveira, da 3ª Vara da Fazenda Pública Municipal, afirma ser “inadmissível que o empreendedor comercialize imóveis sem esse benefício, via asfalto, a não ser que tenha deliberada intenção de enganar os adquirentes”; em sua defesa, empresa alegou que a responsabilidade é da prefeitura, que, a propósito, liberou o empreendimento

O juiz José Proto de Oliveira, da 3ª Vara da Fazenda Pública Municipal, condenou a Leonardo Rizzo Participações Imobiliárias Ltda e a Agência Municipal de Obras (AMOB) a asfaltarem o trecho de acesso ao Residencial Recanto dos Buritis e recompor o asfalto das ruas do residencial, em Goiânia, no prazo de três meses.

O custo das obras deverá ser rateado de forma solidária entre a empresa, dona do loteamento, e a Amob, que o aprovou sem acesso asfáltico, contrariando a Lei nº 6.766/79, que exige o benefício. Em caso de descumprimento, será aplicada multa mensal de R$10 mil.

Para o magistrado, os clientes da Leonardo Rizzo foram vítimas de propaganda enganosa. Ele acatou argumentos apresentados em ação civil pública apontando ausência estrutural no loteamento, uma vez que já apresenta erosões em asfalto construído há apenas oito meses.

LEONARDO: MISAEL NÃO RESPEITA PÚBLICO AO CANCELAR SHOW

Cantor iria se apresentar no último domingo na cidade de Senador Canedo na comemoração ao Dia dos Pais. Mas, prefeito Misael Oliveira cancelou apresentação após ser pressionado pela imprensa por gastar mais de R$ 100 mil num show e alegar que a prefeitura não possui recursos para custear o passe livre estudantil. Leonardo reage, diz que teve prejuízos e critica o prefeito: “Acho que o prefeito Misael de Oliveira foi infeliz na atitude pois a prefeitura já havia tido gastos com a divulgação do evento, estrutura e futuras multas contratuais”

O prefeito de Senador Canedo, Misael Oliveira (PDT) se vê numa polêmica com o cantor Leonardo. O astro sertanejo iria se apresentar no município no último do domingo em comemoração ao Dia dos Pais. Mas, pressionado pela mídia, em razão de contratar um show de mais de R$ 100 mil no momento em que alega a ausência de recursos na prefeitura para custear passe livre estudantil, Misael acabou cancelando a apresentação.

Na nota em que divulgou, o prefeito ainda disse que usaria o dinheiro gasto para contratar Leonardo na construção de uma escola em Senador Canedo. A assessoria do cantor não gostou do modo como o show foi cancelado e das explicações de Misael e agora é a vez de Leonardo se manifestar.

“Fiquei muito triste, pois se trata de uma data especial, por ser o dia dos pais. Infelizmente, o prefeito Misael Oliveira não deixou que eu pudesse fazer o show que preparei com muito carinho para o meu público de Senador Canedo”, disse o cantor, em entrevista ao blog Goiás24horas.

Fazendo sucesso há quase 30 anos na música brasileira, Leonardo afirmou que a falta de respeito de Misael foi com o público da cidade.”Acredito que a falta de respeito foi com o público de Senador Canedo, não comigo. Já que o show estava amplamente divulgado perante a população”.

RELATÓRIO DO CASO LEREIA SAI NA QUARTA-FEIRA

Será apresentado parecer do deputado Ronaldo Benedet (PMDB-SC) sobre processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética; na Operação Vegas, PF flagrou 70 ligações telefônicas entre o deputado goiano e Carlinhos Cachoeira apenas entre maio e julho de 2011; o tucano é acusado de receber dinheiro da organização, de usar o cartão de crédito do contraventor e de avisá-lo antecipadamente sobre uma operação policial contra jogos ilegais

Agência Câmara_ O deputado Ronaldo Benedet (PMDB-SC), relator do processo contra o deputado Carlos Alberto Lereia (PSDB-GO), vai apresentar seu parecer ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar na quarta-feira (14). Na mesma sessão, o parecer poderá ser discutido e votado.

Lereia é acusado de envolvimento com a suposta organização criminosa de Carlinhos Cachoeira e responde a processo por quebra de decoro parlamentar no conselho. De acordo com a Operação Vegas, da Polícia Federal, ele participou de mais de 70 ligações telefônicas com Cachoeira só entre maio e julho de 2011.

O parlamentar também é acusado de receber dinheiro da organização de Cachoeira, de usar o cartão de crédito do contraventor e de avisá-lo antecipadamente sobre uma operação policial contra jogos ilegais.

MABEL QUER ROMPER COM PT E VANDERLAN DE NOVO NO PMDB

Em entrevista ao jornal Tribuna do Planalto, o deputado joga rosquinhas no ventilador e questiona aliança com o PT de Dilma e diz que o partido da presidente tem que cumprir o acordo que fez com PMDB para o governo estadual. Mabel também defende agilidade na escolha do nome peemedebista para a sucessão e diz que Vanderlan seria o nome ideal. “Com ele, Iris nem seria candidato”, dispara Mabel. Ele ainda coloca em dúvida a disposição de Iris Rezende para enfrentar uma campanha e diz que se José Batista Júnior não tem chance se for lançado candidato só em junho de 2014

Quando se imagina que não é mais possível bagunçar a oposição em Goiás, aparece uma proposta para deixar ainda mais indefinido o cenário do grupo que pretende impedir a reeleição do governador Marconi Perillo (PSDB).

Agora foi a vez do deputado federal Sandro Mabel (PMDB) jogar rosquinha no ventilador. Em entrevista ao jornal Tribuna do Planalto, ele defendeu o rompimento da aliança com o PT e o retorno do empresário Vanderlan Cardoso ao partido como candidato a governador (leia aqui a íntegra da entrevista).

Mabel diz que a aliança do PMDB com o PT da presidente Dilma Rousseff precisa ser discutida. E afirma que espera que o PT cumpra o compromisso assumido em Goiás, de apoiar o PMDB. Para Mabel é certo que seu partido terá um candidato ao governo, descartando qualquer hipótese de o PT lançar Antônio Gomide ou Paulo Garcia, por exemplo.

Se o PMDB vai ter candidato então para Mabel este nome é o empresário Vanderlan, que hoje está no PSB. “Eu sempre dou o exemplo do Vanderlan Cardoso. Eu peguei dentro da empresa dele, tirei de lá à pescoção e o coloquei para ser prefeito. Olha a gestão que esse monstro fez. Se ele fosse governador de Goiás, seria um sucesso, não tenho dúvida. Goiás iria mudar de patamar”. Vanderlan foi prefeito de Senador Canedo e candidato ao governo em 2010.

Para bancar seu colega empresário, o deputado coloca em xeque a saúde de Iris Rezende. “Eu acho que é uma eleição para o Iris, acho que ele é melhor candidato que o Marconi disparado. É centralizador, segura as confusões e não deixa acontecer esse monte de escândalos. Agora, ele tem pique para aguentar uma campanha?”, disse em entrevista ao Tribuna.

Mabel abriu o saco de bolachas para distribuir alfinetadas e sobrou para o PSB, que antes era de José Batista Júnior e agora é comandado por Vanderlan. O deputado acha o PSB pequeno e sem perspectivas para o colega Vanderlan.

“Ele tem uma presença importante no cenário, dentro dessa ideia de ‘novo’, que foi um bom administrador. Se ele conseguisse fazer uma aliança, estaria melhor. O problema é que ele está em um partido pequeno, ele não deveria ter saído do PMDB. Isso foi um erro. Se ele ainda estivesse no partido, estaria disparado em qualquer pesquisa. Com ele, Iris nem seria candidato. Vanderlan é um cara que empolga, faz, vai… Então, seria outra vida para ele. Ele jogou uma eleição fora. Não sei se, no partido em que está, ele ganharia uma eleição. Mas, no PMDB, ganharia”, analisa Mabel.

FALEIROS REAGE A GARCIA: INCOMPETENTE E CALOTEIRO

Ao rebater críticas de que Estado é omisso na área da saúde no interior, sobrecarregando a Capital, secretário estadual diz que o prefeito de Goiânia “julga suas irresponsabilidades pela sua própria falha e incompetência”; disse ainda que a PGE vai ajuizar ação de cobrança de uma divida de R$ 200 milhões que a prefeitura teria com a Secretaria Estadual de Saúde por conta de serviços prestados e não recebidos; secretário ainda ameaçou assumir a regulação de leitos de hospitais em Goiânia

O secretário Estadual de Saúde, Antônio Faleiros, rebateu com veemência as críticas do prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, de que o Estado é omisso na gestão da saúde no interior, o que geraria uma sobrecarga no sistema na capital. No domingo (11), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) afirmou em nota que quer otimizar o atendimento da população do interior do Estado. Nesta segunda-feira (12), porém, o secretário subiu o tom, segundo reportagem do jornal O Popular, sugerindo que o prefeito petista é incompetente e mau pagador.

Segundo Faleiros, Paulo Garcia, em vez de assumir e justificar os problemas que enfrenta na área da saúde, esforça-se em jogar a responsabilidade para o Estado: “Ele julga suas irresponsabilidades pela sua própria falha e incompetência”, disse, ao questionar declaração do petista de que o governo estadual não cumpre com a sua obrigação de investir na saúde em regiões afastadas da capital goiana.

A declaração polêmica do foi dada pelo petista na manhã de quinta-feira (8), no plenário da Câmara Municipal, durante o debate da situação administrativa da prefeitura no primeiro quadrimestre do ano.

Ao Pop, Faleiros acusou ainda a Prefeitura de Goiânia de não honrar uma dívida de R$ 200 milhões por serviços recebidos da SES e não pagos. O débito teria se acumulado nos últimos seis anos, segundo relato do secretário ao jornal. Embora ainda sem data, a Procuradoria-Geral do Estado vai apresentar ação para cobrar a dívida.

Faleiros garantiu que a SES deve assumir a regulação dos leitos dos hospitais do Estado, serviço atualmente da Secretaria Municipal de Saúde, se o prefeito de recusar a assinar um Protocolo de Cooperação entre Entes Públicos, instrumento que formaliza negociações entre as secretarias estadual e municipal de saúde.

Nota

Na nota distribuída pela SES, o tom foi mais institucional. O documento diz que a pasta tem priorizado o processo de descentralização das ações e serviços de saúde, com o objetivo de otimizar o atendimento. “Nos dois primeiros anos da atual gestão do governo Marconi Perillo, a SES cumpriu com todos os repasses devidos aos municípios goianos, aplicando os 12% previstos na Constituição Federal. Em 2012, por exemplo, o repasse foi de 12,45%”, explica o texto.

“Além disso, o Plano de Fortalecimento da Atenção Hospitalar Regionalizada, lançado pela SES em 2011, amplia a capacidade de atendimento e a oferta de serviços em hospitais de referência situados no interior. Desde 2011, já foram investidos R$ 20,3 milhões em hospitais públicos e filantrópicos de nove municípios”, escreveu a Assessoria de Imprensa da SES.

Logo mais (às 10 horas) Faleiros concede uma coletiva onde deve apresentar novos números da saúde.

LEREIA DIZ DESCONHECER ATIVIDADES DE CACHOEIRA

Deputado federal, que confirmou ter relação de “grande amizade” com o contraventor, negou no Conselho de Ética que soubesse o que todos os pequis de Goiás sabiam: das atividades ilícitas de Carlinhos Cachoeira, condenado a 39 anos de prisão por vários crimes após a deflagração da Operação Monte Carlo; tucano admitiu, no entanto, que utilizou o cartão de crédito de Cachoeira para comprar “joguinhos eletrônicos”; relatório sobre o envolvimento do deputado tucano será apresentado no dia 14, quando poderá ser discutido e votado

O deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), que responde a representação no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar por envolvimento com Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, afirmou na quarta-feira (7) que tem relação de “grande amizade” com o contraventor.

Ele admitiu que utilizou o cartão de crédito de Cachoeira para comprar “joguinhos eletrônicos”, declarou que recebeu diversos empréstimos para honrar compromissos financeiros e disse que foi “ajudado” em uma de suas campanhas para deputado com um “café da manhã” oferecido por Cachoeira.

Em depoimento de mais de três horas no conselho, Leréia destacou, no entanto, que nunca soube de supostas atividades ilegais praticadas por Cachoeira em Goiás e que não tem qualquer sociedade com o bicheiro, embora admita que ambos sejam donos de uma aeronave avaliada em “aproximadamente R$ 800 mil”.

O relator da representação no conselho, deputado Ronaldo Benedet (PMDB-SC), adiantou que não deverá ouvir mais depoimentos sobre o assunto e pretende apresentar seu parecer para discussão e votação no próximo dia 14 (quarta-feira).

Os atos praticados por Cachoeira foram um dos alvos de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito realizada em 2012, que não conseguiu aprovar um relatório final. Durante as investigações, levantou-se também a suspeita de que o contraventor fosse “sócio oculto” da empreiteira Delta, acusada de diversas irregularidades em obras realizadas com recursos públicos em governos estaduais e federal.

Em seu depoimento ao conselho, Leréia disse que perguntou diretamente a Cachoeira, no passado, se ele era sócio da Delta, mas não teria obtido resposta. “Eu não insisti [na pergunta] para não ser indiscreto”, disse o deputado. Leréia acrescentou que sempre discordou dos métodos da empresa: “Sempre tive bronca da Delta, porque ela chegava atropelando a todos, tanto nas obras quanto na prestação de serviços”.

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com